Davina

"A dança? Não é movimento súbito, gesto musical

É concentração, num momento, da humana graça natural No solo não, no éter pairamos, nele amaríamos ficar.

A dança-não vento nos ramos seiva, força, perene estar um estar entre céu e chão, novo domínio conquistado, onde busque nossa paixão libertar-se por todo lado... Onde a alma possa descrever suas mais divinas parábolas sem fugir a forma do ser por sobre o mistério das fábulas"

 

"A dança e a alma",

Carlos Drummond de Andrade Andrade

 

A vida em seus apagamentos, suas ausências e rupturas em um reencontro com memórias que não me pertencem. O vestido, é a idealização de família, de laços rompidos ou nunca feitos, talvez. É o sentimento de remorso e a dualidade existente no amor. É idealização e romantização de relações tortuosas. Um branco que não me cabe. Na saúde, na doença, na alegria e em uma tristeza profunda.  Até na hora de minha morte.  Amém? 

Constituir matrimônio, ser patrimônio. Desejo transmutando silêncio em música.